Umbanda EMITST2016 A
umbandaaaa.jpg

A Umbanda é uma religião que nasceu no Brasil nas senzalas, é “irmã” do Candomblé, pois assim como o mesmo, acredita em Orixás, também tem aspectos que lembram o Catolicismo pela crença em um Deus e santos. A relação que se estabelece é, os orixás seriam os santos que intermeiam ajudando as pessoas que acreditam e Deus seria Oxalá .Acreditam em espíritos, assim como o espiritismo ,ou seja, é uma religião que engloba princípios e crenças de varias outras religiões. Foi criada com o intuito de incluir na sociedade todos os excluídos na época. Tem a base no amor, caridade e no livre-arbítrio. Não são cobradas remunerações.

Nas senzalas,aconteciam cultos,mas os escravos eram proibidos de cultuar os Orixás,então associaram eles a santos da igreja católica,por exemplo,Xangô a São Pedro,Ogum a São Jorge.Não existe nenhum “livro sagrado”.No Brasil possui 450.553 mil seguidores. Dentro dessa religião existem algumas vertentes, são elas, Branca e Demanda, Kardecista, Mirim, Popular,Omolocô,Almas e Angola,Umbandomblé,Eclética Maior, Aumbhandã, Guaracyana, dos Sete Raios,Aumpram,Ombhandhum,Sagrada,que trabalham em diferentes linhas

Origem

A palavra umbanda vem da língua quimbunda da Angola, significa “magia”ou “arte de curar”. Supõe-se também origem da língua adâmica, cujo significado é “conjunto das leis divinas” ou “Deus ao nosso lado”, mas após o congresso de 1941 foi declarado que umbanda vinha das palavras do sânscrito aum e bhanda, termos que foram traduzidos como "o limite no ilimitado", "Princípio divino, luz radiante, a fonte da vida eterna, evolução constante".

No Rio de Janeiro em 15 de novembro de 1908 foi oficialmente criada. O rapaz de 17 anos, Zélio Fernandino de Morais encorporou o espírito Caboclo das sete encruzilhadas declarando que os velhos espíritos de negros escravos e índios da terra poderiam trabalhar em auxílio do seus irmãos encarnados, não importava a cor, raça ou posição social.Então,neste dia fundou o primeiro terreiro de umbanda com o nome de Tenda Espírita Nossa Senhora da Piedade.O jovem,antes de tudo já havia apresentado alguns comportamentos estranhos, a família julgava que eram “ataques”,as vezes comportava-se como um velho falando coisas que ninguém entendia e as vezes virava uma fera,foi examinado por vários médicos, aconselharam que o levassem até um padre,porém levaram-no a um centro espírita.E foi lá que tudo aconteceu.

A origem do mundo e do ser humano

Diferente do que muitos pensam, essa religião é monoteísta, há crença em apenas um Deus (Olorum), que recebe vários nomes por conta da adaptação das línguas dos locais que o originaram. De acordo com as antigas histórias contadas, o deus supremo Olorum, criou primeiro os Orixás, criaturas sobrenaturais que vivem no céu (Orum) , para que posteriormente eles o ajudasse na criação do mundo material e do ser humano.

De acordo com a lenda yorubana (criação do mundo), a principio havia dois mundos, o Orum, local que os Orixás habitavam, e, Aiyê, local onde existia apenas água e era destinado aos seres humanos. Certo dia Olorum resolveu criar novamente o mundo dos seres humanos e destinou orixás responsáveis pelos quatro elementos: terra, água, fogo e ar.

Ao percorrer da criação, houve uma série de conflitos com características humanas entre os orixás, essas características foram dadas a eles para que os fiés ao lerem o mito, reflletissem sobre suas emoções e comportamentos.

Após o novo mundo Aiyê ser criado, Olorum deu uma nova missão a Oxalá: criar os seres humanos que habitariam o novo mundo. Oxalá esculpiu com água em argila diversas formas e cores de humanos, Olorum ao ver as “peças” prontas, assoprou nas narinas dos homens de barro, criando assim os seres humanos.

Vida após a morte

Acredita-se que quando o ser morre,deixa de estar em um plano material passando para um plano espiritual,porém suas qualidades e defeitos permanecem na alma. Omolú,que é o responsável pela paralisação dos seres corta “o cordão de prata” que liga o corpo ao espírito, logo após, Obaluayê,responsável pela evolução dos seres,transportará o espírito para a dimensão espiritual equivalente a sua vibração mental.

Alguns são transportados para colônias onde acontece o restabelecimento das forças,já outros ficam junto ao corpo físico por não acreditarem na vida após a morte,continuam a sentir necessidades humanas,então ficam perturbados cada vez mais,são chamados de “eguns”.Os exus ou os trabalhadores espirituais ajudam os eguns a sair desse estado. Para eles a morte é uma etapa evolutiva da vida,e a reencarnação seria a base da evolução. Porém alguns acarditam em céu e inferno,outros em reencarnação.

Divindades,Rituais e Símbolos

As divindades na umbanda são os Orixás,representam forças da natureza.Foi organizado sete elementos principais,os sete Orixás,que são,Ogum(guerreiro),Yemanjá(rainha do mar),Oxóssi(dos caboclos e das matas,guerreiro),Xangô(da justiça e da sabedoria),Iansã(dos ventos e tempestades),Oxum(da fertilidade,do amor e do ouro) e Omolú(da saúde,da morte,das doenças).

Os rituais da umbanda são realmente muito diversificados. A seguir os rituais que são mais comuns e realizados dentro dos terreiros:

OBI:Semente de uma palmeira usada para descobrir o Orixá do filho.A semente vibra na energia do Orixá.

BATISMO:Parecido com o da religião católica ,os espíritos padrinhos tem como missão proteger o filho.

CASAMENTO:Realizado pelo pai de santo,os padrinhos espirituais protegem o casal.

AMALÁ:Oferecem elementos para que o Orixá possa trabalhar por uma causa,geralmente entrega-se comida,bebida,velas.Cada Orixá tem os seus elementos específicos.

AMACI:Batismo de um médium,ritual que integra o filho a religião.

A ROUPA BRANCA; Pela cor branca ser a mistura de todas as outras, ela traz as energias de todas elas, é refletora de energias astrais, e ajuda na estimulação de pensamentos puros;

PONTO RISCADO: Representa de certa forma uma assinatura do Orixá, através dela ocorre a ligação do Orixá e do guia;

PÉS DESCALÇOS: Todos presentes no templo devem estar descalço, para que as energias negativas sejam descarregadas;

BATER A CABEÇA: É um sinal de respeito a terra e humildade, pois significa se abaixar diante a Deus;

DEFUMAÇÃO: Tem o objetivo de limpar e purificar os guias e os demais presentes no terreiro.

Os símbolos são conhecidos pela Umbanda como pontos riscados, tem como objetivo a identificação para que sejam feitas ligações apenas entre o guia e o Orixá, evitando que espíritos ruins entrem em contato, já que não “decifrarão” o sinal.

Alguns dos símbolos:

•Circulo: símbolo da eternidade, representa o universo;
•Ponto: a origem, o ser supremo;
•Linha reta horizontal: o mundo material;
•Linha reta vertical: a busca da alma pelo retorno ao criador;
•Triângulo: força;
•Dois triângulos: união e equilíbrio da força dos cosmos;
•Arco e flecha: energia, força espiritual;
•Espada: alma em busca do criador;
•Sol: luz divina;
•Pomba: símbolo de Oxalá.

Sobre a imagem

Os cultos acontecem em locais chamados terreiros, nas reuniões usa-se geralmente roupas brancas, o branco representa a junção de todas as cores, pode participar da religião quem quiser, não há restrições.
Nessa imagem está representado um ritual para entrar em contato com um Orixá. As pessoas que estão em volta, formando um circulo, tem como tarefa dar assistência aos guias.

No centro do circulo há uma estrela com um ponto, no qual foram enterradas as armas do Orixá, trazendo segurança e axé do terreiro.

Fonte:https://umbandaead.blog.br/2015/12/15/o-que-e-ser-de-umbanda/

Referências

A VERDADE, Cristo é. Os símbolos religiosos e seus significados. Disponível em: <http://atestemunhafiel.no.comunidades.net/os-simbolos-religiosos-e-seus-significados>. Acesso em: 31 maio 2016.

AMANHÃ, Luz do. Os Orixás, Divindades da Umbanda. 2014. Disponível em: <http://www.casaluzdoamanha.com.br/home/os-orixas-divindades-da-umbanda/>. Acesso em: 31 maio 2016.

ARUANDA, Estrela de. Número de seguidores de cada religiao no Brasil. 2013. Disponível em: <http://estreladearuandasp.blogspot.com.br/2011/06/numero-de-seguidores-de-cada-religiao.html>. Acesso em: 29 maio 2016.

BARBOSA, Marielle Kellermann; BAIRRÃO, José Francisco Miguel Henriques. Análise do movimento em rituais umbandistas. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-37722008000200013>. Acesso em: 31 maio 2016.

CONTI, Marcia. Vida após a Morte. 2013. Disponível em: <http://almaumbandista.blogspot.com.br/2010/09/vida-apos-morte.html>. Acesso em: 29 maio 2016.

CORRÊA, Cláudio. O Livro Sagrado da Umbanda. 2014. Disponível em: <http://serumbandista.blogspot.com.br/2014/11/o-livro-sagrado-da-umbanda.html>. Acesso em: 31 maio 2016.

FORNOS, Caroline Carvalho. Rituais da Umbanda. 2013. Disponível em: <http://www.paimaneco.org.br/jornaltpm/jornal-do-tpm-2o-edicao/rituais-da-umbanda>. Acesso em: 31 maio 2016.

GUIMARÃES, Renato. As Umbandas dentro da Umbanda. 2010. Disponível em: <https://registrosdeumbanda.wordpress.com/as-umbandas-dentro-da-umbanda/>. Acesso em: 30 maio 2016.

LANNES, Laura. A Umbanda. 2007. Disponível em: <http://www.genuinaumbanda.com.br/a_umbanda.htm>. Acesso em: 28 maio 2016.

LUZ, Blog Povo de. Os Orixás e a lenda da criação, origem da terra e da vida planetária. 209. Disponível em: <http://povodeluz.blogspot.com.br/2009/08/umbanda-os-orixas-e-lenda-da-criacao.html>. Acesso em: 28 maio 2016.

MELO, Alexandre. Os Terreiros de Umbanda. 2013. Disponível em: <http://luzdivina2013.blogspot.com.br/2013/03/os-terreiros-de-umbanda-o-culto-e.html>. Acesso em: 31 maio

OXOSSI, Alex de. Simbolos Sagrados da Umbanda- os Pontos Riscados. 2011. Disponível em: <https://povodearuanda.wordpress.com/2011/07/13/simbolos-sagrados-da-umbanda-os-pontos-riscados/>. Acesso em: 30 maio 2016.

SÍMBOLOS. Símbolos da Umbanda. 2015. Disponível em: <http://www.simbolos.net.br/simbolos-da-umbanda/>. Acesso em: 31 maio 2016.

SOL, Tate Raio de. Rituais da Umbanda. 2010. Disponível em: <http://tate-umbandaeseusmisterios.blogspot.com.br/2010/06/rituais-da-umbanda.html>. Acesso em: 31 maio 2016.

WIKIPÉDIA. Umbanda. 2016. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Umbanda>. Acesso em: 29 maio 2016.

Autoria
Emanuele Heckler
Paola Balbinot

Turma EMITIST2016 A

Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License