Rastafarianismo EMITAI2016B
bob_marley_by_cheatingly.jpg

Origem

A crença rastafári surgiu na Jamaica nos anos 30, quando lá, um grupo de 300 pessoas se reuniu com intuito de venerar o imperador Hailé Selassié (1892-1975) que governou a Etiópia de 1930 a 1974.

O nome Rastafári é a junção de um título etíope nobre com o nome do imperador Selassié. Ras significa príncipe, e Tafari é o nome de batismo de Selassié (Tafari Mekonnen). Antes de ser coroado era chamado de Ras Tafari, príncipe Tafari. Contudo, como esse termo passou a ser utilizado para denominar os seguidores do Rastafarianismo, esse significado original se perdeu.

Características

O Rastafarianismo segue uma filosofia afrocentrista, contendo elementos do cristianismo e do judaísmo, pregando, desta forma, a adoração ao deus Jah. O imperador seria uma encarnação de Jah que conduziria os eleitos ao paraíso rasta, que se encontra na Etiópia. Esses eleitos seriam imortais.

Os seguidores dessa religião acreditam num paraíso terreno, Zion, desprezando a sociedade capitalista, “Babilônia” como a chamam. Em sua crença essa sociedade seria impura e corrupta.

Os hábitos rastas são bem característicos dessa religião, famosos pelas suas vestes largas e coloridas bem como o uso de dreadlocks. Possuem uma dieta natural, baseada em legumes, vegetais, frutas etc. A religião se opõe a alteração do corpo, como tatuar-se ou cortar o cabelo. Também é bem conhecido o hábito do consumo da maconha em seus rituais. Os seguidores fundamentam suas tradições em livros do Antigo Testamento da Bíblia.

Livro sagrado

Os rastas (e cristãos etíopes também) possuem como guia o Livro da Glória dos Reis da Etiópia, o Kebra Nagast. Nele estão contidas tradições monárquicas etíopes, a origem da dinastia salomônica, a conversão da Etiópia ao cristianismo, a história da rainha Sabá e Salomão, a chegada da Arca da Aliança à Etiópia, adoração ao sol, lua e estrelas, a veneração do Deus de Israel.

Escrito em ge’ez, foi traduzido às principais línguas europeias entre os séculos XV e XVI, durante as primeiras expedições portuguesas à Etiópia.

Divindades

O rastafarianismo é uma religião monoteísta, onde seu único deus é Jah (Yah em latim). Seu nome é uma abreviação de Jeová, que está presente em escrituras hebraicas, gregas e na Bíblia. O padre rastafári Jermaine afirma que, ao contrário do deus cristão, “Jah é um homem comum, que vai ao banheiro, tem filhos com sua mulher…” .

Profetas e personagens importantes

Os rastafáris veneram Hailé Selassi, que é visto como um messias por parte dos rastas e conduzirá os negros de volta à África. É considerado o Deus Vivo.

Haile_Selassie_in_suit_and_cloak_in_1960s.jpg

Além de Salessié, possuem outro profeta, Marcus Garvey. Este nasceu na Jamaica em 1887. Símbolo de resistência cultural, fundou o rastafarianismo em 1927, dizendo: “Olhem para África, para a coroação de um Rei Negro”, o que se concretizou após três anos, com Selassié.

Há também o famoso cantor Bob Marley, que difundiu as ideias de Jah por todo mundo, uma vez que a mensagem estava nas letras de suas músicas, como no trecho de Jah is mighty (Jah é poderoso):

"Forsake not your brother (forsake not my brother)
Just try and help each other (just help each other)
Behold, Jah is mighty (Jah is mighty)
Yet he sit with the highly, sit with the lowly, sit with the highly, sits with the lowly"

Em tradução:

"Não abandones o teu irmão (não deixes o meu irmão)
Basta tentar e ajudar uns aos outros (apenas ajudar uns aos outros)
Eis que é poderoso Jah (Jah é poderoso)
No entanto, ele senta-se com o grande, senta-se com os humildes, senta-se com o grande, senta-se com os humildes"

Pode-se perceber nesse trecho da música alguns valores repassados, como a fidelidade. Não só ao irmão, mas a todos os seres humanos, e agir de forma cooperativa, ajudando uns aos outros. Essas características estão presentes na forma de viver leve e tranquila dos rastas. Demonstra também a humildade de Jah, salientando seu poder e sua presença junto à pessoas grandiosas e humildes.

Símbolos

Um símbolo muito forte do rastafarianismo são as cores, sendo elas verde, vermelho e amarelo. São as cores da antiga bandeira etíope, onde o verde corresponde a vegetação africana, o vermelho ao sangue dos mártires e o amarelo às riquezas da África antes de ser explorada. O uso dessas cores demonstram a lealdade a Selassié e a África acima de toda nação, onde se evidencia o afrocentrismo.

Pode-se considerar também como símbolo o ritmo reggae e os dreadlocks, muito comuns entre os adeptos.

Principais rituais

Apesar da religião se opor ao consumo de álcool e cigarros, utiliza frequentemente a maconha, prática característica da crença. Chamada de ganja, é usada quando um grupo se reúne para adorar Jah, vista como uma forma de iluminação. Reprova-se o uso recreativo da mesma.

maconha1.jpg

Visão sobre a morte

Apesar de utilizarem muitos elementos do cristianismo, crença rastafári sobre paraíso é outra, crendo que o paraíso seja terreno, chamado pelos rastas de Zion. Ele estaria localizado na África, especificamente na Etiópia, cidade de origem de Salessié.

Adeptos no mundo

Acredita-se que, no mundo, os seguidores dessa crença cheguem a um milhão de pessoas, sendo que em torno de 100 mil deles sejam jamaicanos.

Sobre a imagem

Na primeira foto, o cantor jamaicano Bob Marley, um dos principais difundidores do movimento rastafári pelo mundo.

Fonte da imagem: http://burbury.com.br/bob-marley-um-dos-maiores-comunicadores-que-ja-existiu/

Na segunda foto, está o imperador Hailé Salessié, visto como encarnação de Jah pelos rastas e alvo de intensa adoração.

Fonte da imagem: https://pt.wikipedia.org/wiki/Haile_Selassie#/media/File:Haile_Selassie_in_suit_and_cloak_in_1960s.jpg

Na terceira imagem, podemos observar uma folha de Cannabis sativa, popularmente conhecida como maconha. Seu consumo tem grande importância no movimento rastafári e é um dos rituais presentes na religião.

Fonte da imagem: http://www.teclasap.com.br/maconha/

Referências

INFOESCOLA. Rastafarianismo. Disponível em: <http://www.infoescola.com/cultura/rastafarianismo/>. Acesso em: 18 de abril de 2016.
RASTAFARI BRASIL. O movimento rastafari. Disponível em: <http://rastafaribrasil.blogspot.com.br/2012/11/o-movimento-rastafari.html>. Acesso em: 18 de abril de 2016.
MUNDO ESTRANHO. O que é a religião rastafári?. Disponível em: <http://mundoestranho.abril.com.br/materia/o-que-e-a-religiao-rastafari>. Acesso em: 18 de abril de 2016.
SUPER INTERESSANTE. Rastafarianismo - Vibrações positivas. Disponível em: <http://super.abril.com.br/historia/rastafarianismo-vibracoes-positivas>. Acesso em: 18 de abril de 2016.
SONIA MORATELLI. Cultura Rastafári. Disponível em: <http://soniamoratelli.blogspot.com.br/>. Acesso em: 18 de abril de 2016.
LOMBRA. 10 curiosidades sobre a cultura Rastafari. Disponível em: <http://lombra.com.br/2015/01/10-curiosidades-sobre-cultura-rastafari/>. Acesso em: 18 de abril de 2016.
VAGALUME. Jah is mighty. Disponível em: <https://www.vagalume.com.br/bob-marley/jah-is-mighty-traducao.html>. Acesso em: 21 de maio de 2016.
SOM JAH. Quem foi Hailé Salessié?. Disponível em: <http://www.somjah.com/2011/06/haile-selassie-divindade-por-acaso.html>. Acesso em: 21 de maio de 2016.

Autoria do verbete

Ana Clara Both Novakoski
Gabriela Rhoden
Guilherme Cole de Almeida

EMITAI2016B

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License