Os Astecas

A civilização asteca foi uma sociedade mesoamericana, da era pré-colombiana, que cresceu muito principalmente entre os séculos XIV e XVI, no território do atual México. Era um povo guerreiro. Constituíram cidades numa região de pântanos, próxima do lago Texcoco. O povo asteca era hierarquizado e rigidamente segmentado. Efetuaram diversas técnicas agrícolas e efetuaram obras de drenagem. O artesanato deste povo era vasto, destacando-se a confecção de tecidos, objetos de ouro e prata e artigos com pinturas.
Era governada por um imperador, chefe do exército. A nobreza era também formada por sacerdotes e chefes militares. Os camponeses, artesãos e trabalhadores urbanos compunham grande parte da população. Esta camada mais inferior da sociedade era coagida a exercer um trabalho compulsório para o imperador, quando este os convocava para trabalhos em obras públicas como canais de irrigação, estradas, templos, pirâmides, entre outros.

Rituais

Sacrifícios Humanos

O ritual do sacrifício humano era necessário para não romper o ciclo da criação. Conta a lenda que, quando os deuses decidiam criar um mundo novo, um deles era selecionado para se sacrificar em uma fogueira para se tornar o Sol do novo mundo. Um dia, quando decidiram criar novamente um mundo (anteriormente já haviam sido criados quatro, e todos já tinham sido destruídos), mas Tecaiztecatl, um deus arrogante, instituído de ser o Sol do novo mundo, recuou perante as chamas, tomado pelo medo. Então, Nanahuatzin, um deus pobre e humilde, se voluntariou e se sacrificou em seu lugar, virando o Sol.
Tecaiztecatl, tomado de inveja da coragem de Nanahuatzin, se jogou na fogueira e virou a Lua. Todos os deuses comemoraram, mas por pouco tempo: perceberam que o Sol não se movia como devia se mover, e perguntaram a Nanahuatzin o porquê. Este respondeu que para ter forças para se mover, necessitava que todos os deuses se sacrificassem por ele. Por isso os Astecas sacrificavam prisioneiros de guerra (ou, em alguns casos, voluntários): para retribuir o sacrifício dos deuses e para manter o Sol vivo até o fim dos tempos.

Batismo

O batismo das crianças astecas era feito em até quatro dias após o nascimento, tempo necessário até o adivinho dizer qual o signo da criança. Se o signo fosse desfavorável, o adivinho procurava outro mais favorável.

Casamento

O casamento era outro ritual importante para os astecas. Segundo Nicholas Saunders (2005),
Os homens astecas poderiam ter mais de uma mulher, embora tivessem de ser capazes de sustentá-las. Os cidadãos comuns geralmente possuíam somente uma mulher, mas os nobres tinham mais. No entanto, poderia haver apenas uma esposa principal que controlava todas as outras. Casamentos políticos eram feitos entre o imperador e as famílias governantes de outras cidades como maneira de forjar alianças diplomáticas poderosas. O adultério era punido com apedrejamento, estrangulamento, embora o divórcio fosse permitido para os homens e as mulheres se o casamento não desse certo.

Alimentação e agricultura

A alimentação era basicamente constituída de milho, feijão, tomate, pimenta, cacau, e carnes de peru, coelhos e um tipo de cachorro pequeno e sem pelos que existia na região. Muitas técnicas de agricultura foram desenvolvidas por eles, tal como sistemas de irrigação por drenagem e chinampas.
As chinampas eram grandes esteiras de junco sustentadas por hastes fixadas no fundo dos lagos. Na superfície da chinampa era depositada a fértil lama encontrada no fundo dos lagos.
Aztec-chinampas-1024x675.jpg

Economia

Ao longo da história do povo asteca, a agricultura foi se tornando a sua principal atividade econômica. Mesmo estando em uma região pantanosa, desenvolveram técnicas agrícolas que superavam as limitações naturais da região.
O comércio também possuia grande importância entre as atividades da economia asteca. Em mercados, como o de Tlatelolco, os habitantes realizavam trocas de artesanatos, alimentos, pequenos animais, utensílios e ervas medicinais. também viviam da pesca, caça e confecção de objetos artesanais (potes, cestos, joias, etc.).
Além de realizarem o comércio através do escambo, também utilizavam a semente do cacau como uma moeda de troca.

Territórios

Em seu auge, a civilização, tinha cerca de 500 cidades que pagavam impostos para a capital, a cidade-estado de Tenochitlán, que depois se tornou atual Cidade do México. A civilização se localizava onde é o atual território do México.

astecas.jpg

Contato com os “colonizadores”

O primeiro e único contato com os “homens brancos”, dos astecas foi com Hernán Cortés e seu grupo. Quando se encontraram, se apresentou como o Deus branco, que os astecas esperavam em sua religião. Hernán chegou em um ano de Ce-Acatl(ano importante em seu calendário), e os Astecas o confundiram com tal Deus. Claro, ele não era tal, mas conseguiu entrar no grupo dessa forma. Também existe a hipótese de os Astecas terem acolhido os espanhóis por sua hospitalidade com embaixadores estrangeiros. Aumentando a confusão, outra causa de os astecas terem acolhido os espanhóis para dentro de sua capital por acharem que eles eram descendente de Quetzalcóatl, uma importante ordem de sacerdotes. De qualquer forma, os “desbravadores” possuíam a intenção de dominar o povo, com suas armas superiores e doenças o império se desfez em dois anos de conflito.

Astecas na Atualidade

O náuatle, idioma dos astecas, ainda está bem vivo. É falado por cerca de 1 milhão e meio de indígenas em pelo menos 15 estados mexicanos. Ele contribuiu para a preservação de algumas das antigas crenças astecas.
Por muitos anos, as Testemunhas de Jeová no México têm se esforçado em alcançar todas as pessoas com as “boas novas do reino”. (Mateus 24:14) Em 2000, a sede das Testemunhas de Jeová no México iniciou um projeto para pregar em náuatle a todos os que falam essa língua e organizou congregações para pessoas desse idioma que estavam assistindo às reuniões em espanhol. Formou-se um grupo de tradução para produzir publicações bíblicas na lingua local. Também foram feitos esforços para ensinar o povo de língua náuatle a ler e a escrever em seu próprio idioma.

Referências

ASTECAS-Dísponível em<http://www.sohistoria.com.br/ef2/astecas/>acessado em 14 NOV 2015

Tonatiuh, o Quinto Sol-Dísponível em<
http://www.mitologia.templodeapolo.net/mitos_ver.asp?Cod_mito=197&value=Tonatiuh,%20o%20Quinto%20Sol&mit=Mitologia%20Asteca&prot=Huitzilopochtli&lnd=>acessado em 14 NOV 2015

Astecas-Dísponível em<http://www.suapesquisa.com/pesquisa/astecas.htm>acessado em 14 NOV 2015

Astecas-Dísponível em<www.brasilescola.com/historia-da-america/astecas2.htm>acessado em 14 NOV 2015

Lenda do chocolate-Dísponível em<http://chocolatedocechocolate.blogspot.com.br/p/lenda-do-chocolate.html>acessado em 14 NOV 2015

Rituais de sacrifícios astecas-Dísponível em<http://detudoumpoucoapouco.blogspot.com.br/2012/05/os-rituais-de-sacrificios-astecas.html>acessado em 14 NOV 2015

Povo asteca-Dísponível em<http://pt.slideshare.net/SilvierDias/povo-astecas>acessado em 14 NOV 2015

Atecas de hoje se tornam cristãos verdadeiros-Dísponível em<http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/2012168#h=25>acessado em 14 NOV 2015

História asteca-Dísponível em<http://www.infoescola.com/historia/astecas/>acessado em 14 NOV 2015

-Dísponível em<https://ezgrogarden.com/wp-content/uploads/photo-gallery/Aztec%20Chinampas/Aztec-chinampas.jpg>acessado em 14 NOV 2015

-Dísponível em<http://www.madesp.com.br/portal/tutorial_astecas.asp>acessado em 14 NOV 2015

Criado por:
Cecília Paulina
Gabriel de Rós
Tomas Kafmann
Ruan Machado

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License